Um novo Genesis para a Hyundai

O grupo Hyundai (que também é dono da KIA) passou por várias transformações nos últimos anos. A chegada de Peter Schreyer (aquele que fez o Audi TT e o A2 originais) no comando da KIA em 2006 foi o que revolucionou a marca e colocou os carros coreanos no mapa do design mundial.

Seu trabalho foi tão bem feito que ele foi nomeado presidente do grupo em 2012 (o primeiro não coreano na presidência do grupo Hyundai) e hoje comanda tanto o design da KIA, como também da Hyundai e da sua marca de luxo, Genesis.

Embora quase ninguém conheça os carros da Genesis aqui no Brasil, na Coréia do Sul eles são bem famosos. São sedans de luxo que competem diretamente com os Audis, BMWs e Mercedes maiores (A8, Série 7 e o Classe S, por exemplo).

A marca foi lançada em 2008, mas só agora começou a chamar atenção de verdade. A primeira coisa que o Peter Schreyer fez foi chamar outro ex-Volkswagen pra tomar conta da Genesis: Luc Donckerwolke (sim, aquele que desenhou o Lamborghini Murciélago e até poucos meses estava na Bentley!!). E o Luc não perdeu tempo: em março de 2016, a Genesis apresentou no Salão de Nova Iorque o conceito New York!

O conceito trouxe o que faltava pra Hyundai acertar a mão nos carros da Genesis: mais personalidade e originalidade. Os carros da Genesis são esquisitos, comuns demais e a pegada do conceito já veio marcar mudanças significativas. O que o Luc está fazendo é exatamente o que o Peter fez quando foi pra KIA: construir uma marca do zero. Quando o Peter Schreyer chegou na KIA a marca não tinha nada, nenhuma tradição ou símbolo, era um papel em branco pronto pra criar.

E o que o Luc começou a fazer foi definir um padrão, uma identidade para a Genesis: o conceito do carro, 'Athletic Elegance' (Elegência Atlética), é de um sedan esportivo de luxo inspirado no estilo de vida de Nova Iorque, satisfazendo as necessidades do cliente moderno, mas oferecendo soluções inesperadas e ousadas.

Muitos pontos diferentes chamam atenção no conceito: o ar esportivo, os detalhes em cor de bronze, a saída de ar lateral cheia de furos. O carro tem proporções bem feitas e superfícies bem acabadas, algo que não se via nos modelos anteriores da Genesis.

Os detalhes em cobre reaparecem no interior, que vai guiar o design dos futuros modelos: um ambiente sofisticado e high-tech, com uma enorme tela curva ocupando grande parte da frente. Os principais materiais usados no interior são: couro, alumínio polido e cobre.

O primeiro passo de Luc Donckerwolke na Genesis parece bem promissor. O carro, além de bem feito, indica uma linguagem bem interessante para os próximos carros da marca. Vamos aguardar. Pelo sucesso que o Peter Schreyer fez na KIA, o Luc tem tudo pra fazer da Genesis uma nova marca global coreana.

Fontes: Hyundai, Genesis, Audi, BMW, Bentley e Mercedes-Benz